Se procura uma experiência de parto mais calma e confortável, geralmente proporcionada pelo parto em casa, mas não quer correr os riscos que lhe são inerentes, talvez seja uma boa ideia pensar numa clínica privada. Estas são cada vez mais procuradas, pois combinam o conforto de casa com a experiência técnica da medicina moderna.

Quais são as vantegens deste tipo de opção?

Na maior parte dos casos estes tipo de instituições são entidades independentes embora, em alguns países, elas se situem dentro de hospitais. Você terá a possibilidade de escolher o obstetra e a Clínica, sendo que o mesmo obstetra que a acompanhou durante a gravidez pode assisti-la no parto. Existem enfermeiras especializadas para todo o tipo de serviço e um médico sempre acessível, caso surja alguma emergência.

A grávida dispõe de um quarto particular, onde pode ter o bebé, se não necessitar de intervenção cirurgica, e, onde recupera do parto. Geralmente os quartos são agradáveis, dispondo de carpete, quadros, cadeiras paras as visitas, televisão e uma cama para que o seu parceiro possa deitar-se ao seu lado.

A mulher escolhe, livremente e sem restrições, quem assistirá ao parto, enquanto que o parto no hospital não se processa assim. A parturiente porém, não goza de uma completa liberdade de movimentos, não podendo escolher a posição em que quer ter o bebé e o tipo de roupa com que quer fazê-lo, é o pessoal auxiliar que a ajuda e lhe dá para vestir uma bata do hospital devidamente esterilizada.

Por outro lado, não há pressão para a mulher usar este ou aquele método ou esta ou aquela forma de alívio das dores. A maioria das mulheres considera este factor essencial para a sua escolha. Pode também receber visitas quase ao longo de todo o dia. O ambiente é calmo e acolhedor, com atendimento personalizado. Todos estes factores levam a que a mulher se envolva muito mais na sua experiência de parto.

Note-se que estas Clínicas dispõem dos meios essenciais para assitir a parturiente dentro da normalidade dos partos nos hospitais. Caso ocorra uma emergência e a Clínica não tenha meios para a assitir, será redireccionada para o hospital mais próximo, com a maior rapidez possível. Disto decorre a necessidade de aconselhar as mulheres no sentido de fazerem esta opção nos casos em que tiveram uma gravidez saudável e de baixo risco, uma vez que assim, as possibilidades de algo correr mal, são muito menores.

Que tipo de inconvenientes lhe estão associados?

O maior inconveniente deste tipo de opção consiste no facto de a mulher ter de ser deslocada para o hospital mais próximo, caso surja alguma complicação e a clínica não tenha meios à sua diposição para a resolver, o que não é muito frequente.

As necessidades médicas da parturiente devem ser concretamente analisadas e comunicadas à mesma antes de se avançar para o parto na clínica, tendo também sempre presente que todos os nascimentos comportam um certo grau de risco.

Factores de risco, tais como a hipertensão e os diabetes são avaliados e a monotorização constante da mulher durante o parto representa uma alterantiva segura para estes casos. Há ainda que ter em conta que esta é uma alternativa dispendiosa, na medida em que os hospitais e maternidades oferecem um serviço gratuito. Estas clínicas dispõem, geralmente, de menos meios técnicos que um hospital normal e caso surja alguma complicação que a clínica possa resolver, os custos desses serviços pode ter de ser pago à parte.