A concepção torna-se particularmente facilitada, se o casal tiver relações sexuais nos dias coincidentes com o período fértil da mulher.
Click image for larger version

Name:	56472846.jpg
Views:	1
Size:	3.0 KB
ID:	3534329

A ovulação

A ovulação traduz-se na libertação do óvulo dos ovários e corresponde à fase fértil do ciclo menstrual. Geralmente, esta fase regista-se 14 dias depois do primeiro dia da última menstruação. No entanto, e para salvaguardar as devidas excepções à regra, é mais seguro afirmar que a ovulação ocorre 12 a 16 dias após o início do último período menstrual.

A mulher que deseja engravidar deve ter relações sexuais no espaço de tempo que vai das 72 horas que antecedem a ovulação até às 24 horas posteriores. Isto porque o óvulo perde a capacidade de ser fecundado com êxito para além das primeiras 24 horas após a sua libertação do ovário. Os espermatozóides, pelo contrário, mantêm a sua capacidade fecundante no interior do organismo feminino por cerca de três dias.

Técnicas para determinar os dias férteis

O corpo da mulher pode constituir uma ajuda preciosa na determinação dos dias mais propícios à concepção, na medida em que este fornece, ciclicamente, sinais subtis de fertilidade. É o caso, por exemplo, do desconforto abdominal sentido por algumas mulheres na altura da ovulação. O mesmo se passa em relação aos seios que, nesta fase, se tornam particularmente sensíveis.

Além destes sinais, há a destacar três métodos inseridos no chamado planeamento familiar natural, o qual procura “calcular” os dias fecundos da mulher através da análise de determinados sintomas hormonais e fisiológicos.

Click image for larger version

Name:	aumentar as possibilidades de engravidar.jpg
Views:	1
Size:	2.1 KB
ID:	3534330

Método de Ogino ou do calendário


Trata-se de uma técnica extremamente fiável para as mulheres com um ciclo menstrual absolutamente regular de 28 dias.

No caso destas mulheres, que constituem uma minoria, as contas são fáceis de fazer. Por exemplo: se a menstruação tiver início no dia 1 de Junho, a ovulação deve ocorrer entre os dias 13 e 17, mais especificamente no dia 15 (14º dia do ciclo menstrual). A próxima menstruação, e uma vez que se fala de mulheres com um ciclo regular de 28 dias, deve surgir no dia 28 de Junho.

Se a mulher tiver ciclos menstruais muito irregulares, curtos (menos de 21 dias) ou longos (mais de 40 dias), é pouco aconselhável que faça uso deste método, pelo menos em regime de exclusividade.

Com efeito, quanto mais irregular for o ciclo menstrual, mais difícil é determinar com exactidão a altura da ovulação através do calendário. Ainda assim, existe uma alternativa. A mulher com ciclos menstruais irregulares deve apontar a data de cada um deles durante um ano. Supondo que o ciclo mais curto é de 21 dias e o mais longo é de 32 dias, basta subtrair 17 ao primeiro e 11 ao segundo. Contas feitas, o período fértil da mulher situar-se-ia entre o dia 5 (21-17=4) e o dia 11 (32-11=21).

Método da temperatura

Durante a ovulação, a temperatura da mulher sofre um ligeiro aumento de 0,2 a 0,5 graus centígrados, devido à libertação de progesterona estimulada pela libertação do óvulo.

O período fértil da mulher costuma situar-se dois ou três dias depois da subida de temperatura que deve ser tirada todas as manhãs, antes da mulher se levantar e em jejum. O termómetro deve permanecer na boca durante, pelo menos, três minutos.

Método da ovulação

Durante e nos dias que precedem a ovulação, o colo do útero (cervix) produz uma substância gelatinosa, normalmente visível à entrada da vagina, cujo objectivo é proteger e acelerar o espermatozóide no seu caminho pelo útero em direcção às trompas de Falópio até à fecundação do óvulo.

Trata-se de uma substância que, antes da ovulação, é pouco frequente, ligeira e viscosa. No entanto, por altura da ovulação, este muco torna-se mais abundante, claro, húmido e escorregadio. É usual dizer-se que adopta uma consistência semelhante à da clara de ovo. Regra geral, a ovulação corresponde ao último dia em que se nota estas alterações. As mudanças no volume e textura do muco do colo do útero devem-se ao aumento dos níveis de estrogénio que acompanham a ovulação.