Comunicação

Collapse
No announcement yet.

slot_topleaderboard_post

Collapse

hospital privado vrs público

Collapse
X
  • Filtrar
  • Tempo
  • Mostrar
Clear All
new posts

  • hospital privado vrs público

    A minha história teve (e tem) um final feliz: uma linda bebé, cheia de saúde que veio a este nosso Mundo através de um parto normal onde tudo correu na perfeição. Infelizmente, tal poderia não ter acontecido se eu, enquanto mãe, não tivesses tomado o meu destino nas minhas próprias mãos.

    Engravidei no verão de 2016 e optei por ser seguida num hospital privado do Grande Porto (onde vivo), inaugurado recentemente. Optei por ser acompanhada lá por conveniência geográfica e por poder escolher o médico que me assistiria. Procurei referências junto de amigas e aconselharam-me uma médica, que trabalha no público e no privado na zona sul do Grande Porto.

    De início tudo correu bem, muita simpatia. Eu e o meu marido achávamos até piada a “paranoia” da médica com a minha dieta (nrd: aumentei cerca de 10 Kg na minha gravidez). O mesmo acontecia nas aulas de preparação para o parto, onde a enfermeira se desfazia em simpatia, apesar de se falar muito mas pouco de coisa que interessasse (mais tarde viríamos a perceber isso).

    O tempo foi passando, as ecográficas e exames mostravam que tudo estava dentro do previsto mas da parte da médica parecia que havia sempre algo de errado, sempre de “pé atrás”, sempre gerando receios de que “por agora tudo bem mas não embandeirar em arco”.

    Sempre foi minha vontade cumprir o meu sonho de ser mãe através de um parto normal. Expus essa minha vontade à médica, que permanentemente procurava alguma justificação para dizer que “mais tarde se verá, eu nunca correrei riscos com esta criança!”, sendo que essa criança se desenvolveu sempre dentro da maior das normalidades.

    Nas aulas de preparação para o parto, sempre que uma colega se ia embora (porque a criança entretanto nascera) perguntávamos a enfermeira se o parto tinha sido normal. Invariavelmente ela dizia-nos que tinha sido cesariana. “Teve de ser”, dizia ela, logo seguida de alguma qualquer justificação. Eu e o meu marido começamos a estranhar…

    Fui estudar as estatísticas da distribuição de partos em Portugal e vi então que, em média, os hospitais privados em Portugal praticam cesariana em cerca de 80% dos seus nascimentos. Em termos internacionais, a OMS tem como valor de referência para cesariana até 15% do total de partos.

    Confrontei a minha médica com estes valores. Ela, subjetivamente e sem nunca o afirmar, deu a entender que era impossível ter um parto normal num privado (pelo menos, naquele). Se quisesse parto normal, teria que recorrer ao público. Assim fiz: fui ao Hospital Pedro Hispano (sendo que eu não moro em Matosinhos) e tive uma experiência de maternidade fantástica. Toda a equipa, as instalações e o apoio dado são de alto nível.

    Nunca mais recorrerei aos serviços da médica que me seguiu no privado nem sequer ao hospital privado em causa: senti-me enganada e defraudada. Espero que este depoimento sirva para que vocês não passem pelo mesmo.

  • #2
    Pois... Também tenho ideia que no privado encaminham mais facilmente para cesariana. Por isso perfiro um bom hospital publico! Obrigada pelo depoimento!

    Comentar


    • #3
      Oi mamães, boa tarde. sou brasileira, estou grávida e um pouco perdida, É verdade que no hospital público o marido não pode assistir o parto?

      Comentar

      slot_bottomleaderboard_post

      Collapse
      Working...
      X